tratamentos cancer de prostata tratamentos cancer de prostata tratamentos cancer de prostata
tratamentos cancer de prostata prostate cancer lrp prostatectomy   prostate cancer surgery prostate cancer news
tratamentos cancer de prostata

tratamentos cancer de prostata

Robin Cole
Pensilvânia

 

Não nasci para ser rico ou famoso. Tudo o que tenho hoje foi conseguido com muito esforço físico e mental. Quando era adolescente em Compton, Califórnia , decidi que seria jogador profissional de futebol americano. Depois de batalhar muito, consegui uma bolsa de estudos integral na Universidade do Novo México, onde fui selecionado como melhor jogador amador. Em 1977, fui o primeiro a ser convocado para jogar no time campeão do torneio Super Bowl, o Pittsburgh Steelers. Joguei durante 12 anos como beque de linha All-Pro.

Em conseqüência das lesões causadas pelo futebol, sofri seis operações, inclusive a substituição total do ombro. Essa operação resultou em seis meses de reabilitação física intensa. A reabilitação não me incomodou, porque em toda a minha vida sempre fui determinado e disciplinado com relação ao meu corpo. Depois das cirurgias, minha recuperação sempre dependeu de disciplina e ética profissional. Sem problemas... eu trabalhava duro e conseguia os resultados desejados. Passei a acreditar que, com foco e tenacidade, conseguiria superar todos os meus problemas.

Em 2004, aos 49 anos, descobri que tinha uma coisa que não poderia resolver no ginásio: câncer de próstata. O diagnóstico não foi um choque total para mim. Era o quarto de oito irmãos a receber o mesmo diagnóstico. Também fiquei sabendo, pelo meu irmão, que meu pai e seu irmão gêmeo haviam morrido de câncer de próstata. Sempre achei que meu pai tinha morrido aos 49 anos de câncer do pulmão. Contaram-me que ele inicialmente teve câncer de próstata. Naquela época, eu ignorava não apenas que o câncer de próstata é o câncer que mais atinge os homens, mas também que sua incidência é maior entre os negros.

Desde que fiz 40 anos, minha esposa, enfermeira de sala de cirurgia, todo ano me lembrava de fazer um exame físico e o PSA. Em 2003, meu PSA era de 2 ng/ml e não causava preocupação. Um ano depois, ele subiu para 3 ng/ml. Foi quando fiquei sabendo de minha história familiar. Meu médico imediatamente recomendou que eu consultasse um urologista e fizesse uma biópsia ultra-sônica, o que fiz. Os resultados não surpreenderam, mas ainda assim foram arrasadores: câncer de grau 7 pela escala de Gleason.

Minha esposa imediatamente começou a pesquisar as opções de tratamento. Como enfermeira de sala de cirurgia, ela havia assistido a muitas cirurgias de prostatectomia radical aberta. Contou-me como era difícil para o cirurgião ver o local da cirurgia, por causa da localização da próstata, da considerável perda de sangue e da incapacidade de visualizar os feixes de nervos que controlam a função erétil. Ela estava determinada a encontrar uma opção melhor para mim.

Nessa procura, minha esposa considerou uma variedade de tipos de tratamento: radiação, implantação de semente radioativa, congelamento e cirurgia. Contudo, como eu era relativamente jovem, nós concluímos que seria melhor retirar a próstata; meu urologista concordou. Pesquisamos uma variedade de opções para prostatectomia, mas os cirurgiões daqui eram geralmente reticentes e não muito encorajadores. Nossa busca por experiência e apoio nos levou à Clínica Krongrad de Urologia, em Miami. Liguei para o consultório e minha esposa mandou um e-mail. Incrível, em 15 minutos o Dr. Krongrad retornou minha ligação e respondeu ao e-mail! Isso é que é apoio. Não demorou muito para que tomássemos uma decisão.

No dia seguinte, minha esposa ligou para o consultório e falou com Ruth, que marcou a cirurgia, respondeu às suas perguntas e nos ajudou a encontrar um lugar para ficar. Pegamos um vôo de Pittsburgh para Miami, nos registramos no hotel e fomos conhecer o Dr. Krongrad pessoalmente. Ele nos explicou passo a passo o que aconteceria e nos tranqüilizou. Posso ser durão dentro de campo de futebol, mas ponha um avental branco que a história muda. Foi bom ter a enfermeira Linda comigo em cada etapa desse processo.

Internei-me no hospital às 6h; às 11h já estava em recuperação, completamente acordado. Esperava ter dores e vômitos, como aconteceu nas minhas cirurgias ortopédicas anteriores. Mas que nada, sentia-me ótimo! Tinha cinco pequenos band-aids e um catéter. Não senti dor e não tomei nem mesmo um Tylenol. Depois fiquei sabendo que minha experiência foi típica para uma PRL Krongrad. O soro foi retirado e comecei a ingerir líquidos. Por volta das 17h já estava andando pelos corredores. Tive alta na manhã seguinte depois que o médico veio me contar que o câncer estava confinado ao órgão e que não havia necessidade de nenhum outro tratamento.

Da internação à alta, tudo foi perfeito: o apartamento particular, o atendimento da enfermagem, a vista do oceano. Linda também teve permissão para passar a noite em uma confortável cadeira reclinável em meu quarto.

Na noite seguinte à cirurgia, minha esposa e eu saímos para jantar e caminhamos no shopping Aventura. Fomos ao consultório do Dr. Krongrad no dia seguinte para um exame rápido. Ele me pediu que verificasse meu PSA novamente depois de 3 meses.

Já faz três meses que operei e acabo de receber o resultado de meu primeiro PSA: um perfeito 0 ng/ml! Nas semanas seguintes à operação, o Dr. Krongrad continuou em contato conosco, o que minha esposa acha incrível. Essa foi a primeira vez em que eu não pude fazer nada para melhorar minha recuperação. Tive de confiar totalmente na habilidade e no conhecimento de meu cirurgião.

Em minha humilde opinião, não há cirurgião, médico ou ser humano melhor que o Dr. Krongrad. Ele esteve ao meu lado em uma fase muito tumultuada e nos ajudou a passar por tudo com tanta facilidade, compaixão e profissionalismo quanto alguém poderia desejar. Também queremos expressar nosso sincero reconhecimento e imensa gratidão a Ruth e Hope - elas são o máximo.

Esta semana fiquei sabendo que outro de meus irmãos está se submetendo uma biópsia. Ele já decidiu que fará uma PRL com o Dr. Krongrad. Ele e sua esposa vivem em Los Angeles, mas o melhor cirurgião de câncer de próstata está em Miami.

BACK